Post Top Ad

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Como chegar a Machu Picchu! Todas as opções e dicas práticas.


A cidade perdida Inca de Machu Picchu é o motivo que leva 99% dos viajantes até ao Perú, e nós não fomos excepção. A viagem girou em torno dos planos para subir às ruínas, e depois de imensos contratempos, percebemos que todos os stresses e perrengues tinham valido mais do que a pena. Mas vamos por partes, como planear a viagem.
Ir ao Machu Picchu é difícil, requer muita antecedência de reservas e bastante coordenação, mas é possível fazê-lo de forma autónoma. A base mais comum para quem visita as ruínas incas é a cidade de Cuzco.
Como chegar de Cusco a Machu Picchu?
- Caminho Inca, é um clássico entre os mochileiros e a forma mais genuína de chegar. São cerca de 4 dias de caminhada pelo Vale Sagrado, mas a chegada, a partir do alto com uma vista incrível para as ruínas deve ser a melhor das recompensas. Claro que andar a pé durante quatro dias e acampar pelo caminho não foi a minha opção, mas se for a vossa tenham em atenção que: há um número limitado de pessoas que pode fazer o trilho Inca por dia; é obrigatório irem através de uma agência de viagens autorizada e na companhia de um guia local. Não podem simplesmente pegar numa mapa/gps e seguir caminho.
- De comboio, até à Águas Calientes, é o outro clássico mas do turística normal (ou do turista de luxo, porque também há comboios com primeira classe à séria).
Há algumas opções de comboios que saem de Poroy, a estação mais próxima de Cusco (uns 20 km) e muitas outras a partir de Ollantaytambo - cidade a meio caminho na zona do Vale Sagrado.
A partir de Poroy são cerca de 3h30 de viagem e de Ollantaytambo 1h45. Como há mais opções de comboios a sair desta última, muitos preferem vir até cá por estrada (daqui para a frente essa alternativa nem existe) e apanhar o comboio na última parte do trajecto. Há autocarros que saem de Cusco tanto para Poroy como para Ollantaytambo, e também é um percurso com transfers que quase todas as agências de viagem oferecem.
Uma vez em Águas Calientes é possível subir a trilha final a pé ou apanhar uns mini bus até à entrada das ruínas.
- Através da hidroelétrica, é um percurso muito menos explorado e que atraí menos turistas, chega a Machu Picchu vindo de outra direcção e é a que permite ir de carro até mais próximo, já que há estrada até à hidroeléctrica (que até se vê da parte de trás da cidade Inca), o fim do percurso tem que ser feito a pé.
Quantos dias são precisos para conhecer Machu Picchu?
É possível, com alguma coordenação fazer tudo num único dia, bem cansativo. Sair de manhã bem cedo de Cusco, para apanhar talvez o comboio das 06:00 da manhã e regressar ao fim do dia, depois de ter passado algumas horas nas ruínas Incas. Há várias agências que oferecem pacotes deste tipo mas sinceramente não aconselho muito - claro que caso tenham apenas um dia é ponto assente que mais vale fazer assim do que não ir - o ideal será apanhar o comboio para Águas Calientes um dia À tarde e dormir a noite anterior lá, para acordar descansado e bem-disposto, com energia para milhares de degraus e chegar bem cedo, antes da enchente de turistas que começa a meio da manhã. (Dica Extra: há quem aproveite este dia anterior para fazer um Tour pelo Vale Sagrado, que normalmente acaba em Ollantaytambo e em vez de no final regressar a Cusco pedir para ficar por lá e apanhar o comboio para Águas Calientes - os nossos planos iniciais eram mais ou menos estes!)
Onde comprar os bilhetes?
O primeiro passo, e factor limitante na viagem, é a compra do bilhete para entrar nas ruínas. Há um número limitado de acessos diários e em épocas mais turísticas pode ser preciso tratar do assunto com alguma antecedência. Não há chance de chegarem lá de mãos a abanar e comprarem um bilhete à porta, isso terá que ser feito previamente de duas formas distintas: pela internet, no site oficial, ou através duma agência de viagens. Depois de terem este bilhete na mão podem começar a pensar nos seguintes, os bilhetes de comboio também podem ser comprados com antecedência pela internet no site da PeruRail ou da IncaRail, as duas companhias com oferta até Águas Calientes. Os preços vão variando com a procura por isso também têm interesse em fazê-lo o mais depressa possível, mas se o comboio não estiver cheio há sempre a hipótese de chegarem à bilheteira da estação e comprar um bilhete. Se não estiverem a fim de trilhos e aventuras o bilhete para o mini bus pode ser comprado em Águas Calientes mediante a apresentação do bilhete de entrada para o parque arqueológico - mas preparem-se para uma fila considerável.
O que levar na viagem?
Tudo e nada!
Como assim? Os dois factores mais relevantes quando estiverem a decidir oq ue meter na mala são: no comboio podem viajar apenas com uma mala de cabine, por isso mesmo que estejam a fazer uma viagem de um mês pela América do Sul, esqueçam as malas de porão, vão ter de arranjar maneira de as deixar em Cusco (hotéis e agêncis normalmente disponibilizam-se para ficar com elas). O segundo ponto importante é que no parque arqueológico não há absolutamente nada, ou seja, têm de levar convosco tudo o que pensem vir a fazer falta. O bilhete de entrada é para o dia inteiro e podem entrar e sair do parque, mas não é muito prático, então recomendo que levem convosco água, umas bolachinhas, snacks para recuperar forças depois de tanto degrau, ou mesmo umas belas sandochas que estiverem com vontade de almoçar por lá. Muito importante também é uma protecção para a cabeça, protector solar, impermeável e roupa confortável e por camadas. Está frio de manhã cedo, pode encobrir e chover a qualquer momento, e quando o sol abre, esquenta a sério. Vão prevenidos para qualquer coisa, nós apanhamos um dia óptimo e senti falta foi dum chapéu, mas há muito boa gente a ser surpreendida por uma chuvada valente na época mais húmida.
E depois, claro, máquinas fotográficas, de filmar, GoPro, iPhone, vale tudo para registar o momento.
Quando custa o passeio?
É bem caro, mas vale cada cêntimo.
Como já fui explicando atrás, cada um dos passos pode ser tratado de forma independente, compram os bilhetes todos necessários e vão por vossa conta. Antes de tomarmos a nossa decisão pesquisei bastante sobre horários e preços e traços gerais, por cerca de 200 euros vão conseguir comprar o bilhete de comboio, do minibus e da entrada no parque. (preço médio, já que o bilhete mais caro, o de comboio não tem preço fixo. o minibus custa 20 euros ida/volta e a entrada no recinto arqueológico 35 euros). Para além disso ainda vão precisar, pelo menos, de um bilhete de autocarro de ida/volta até à estação de comboio. Com esta informação na mão contactei algumas agências de viagem para sondar preços e ofertas disponíveis e diria que por 300 euros conseguem o serviço completo, que inclui alguém tratar por vós de todos os bilhetes, um transfer de ida/volta até à estação de partida/chegada, e um guia em à espera em Águas Calientes que vos acompanhará até às ruínas e faz uma pequeno passeio guiado inicial antes de vos "largar" para poderem tirar todas as fotos possíveis e imagináveis e explorar livremente.

E vocês escolheram que opção?
A nossa organização de tempo era bastante apertada, íamos chegar num dia de manhã a Cusco e queríamos partir de imediato para Águas Calientes. Como disse atrás, fazer nesse dia o tour pelo Vale Sagrado é uma boa opção, mas apesar de chegarmos de manhã, não seria suficientemente cedo para apanhar um grupo que sai cedo através de uma agência e se apanhássemos os transportes clássicos (ir até à cidade, deixar as malas, apanhar um autocarro até Ollantaytambo, apanhar o comboio para Águas Calientes) lá se ia todo o nosso dia e também não iríamos conhecer nada do Vale Sagrado. E aí começou a ganhar forma a ideia de contratar uma agência que permitisse adaptar o serviço conforme os nossos horários. Depois de vários e-mails trocados escolhemos a agência Andean Adventures Peru - sales@andeanadventuresperu.com, a agente comercial que tratou tudo connosco foi muito simpática, disponibilizaram-se para moldar tudo o que fizesse falta do roteiro habitual à nossa disponibilidade e portanto o plano que ficou delineado seria:
- Chegada a Cusco às 10h40
- Carro à nossa espera que nos ficaria com as malas e nos levaria pelo Vale Sagrado até Ollantaytambo
- Tempo livre para visitar as ruínas Incas de Ollantaytambo
- Comboio para Águas Calientes
- Pernoite em Águas Calientes
- Guia de manhã cedo para nos acompanhar até Machu Picchu
- Tempo livre em Águas Calientes
- Comboio até Poroy ao final do dia
- Carro à nossa espera com as malas de volta para nos levar até ao hotel a Cusco.
E então, correu tudo bem?
Amanhã conto-vos que isto hoje já vai longo...
(to be continued...)
- link das peripécias já disponível aqui! - 
16:23 / by / 0 Comments

Sem comentários:

Post Top Ad